Roteiro para Difusão de Veículos Elétricos no Brasil

Tempo de leitura: 2 minutos

Relatório da ABVE propõe análises para tornar os veículos elétricos realidade no país

O RELATÓRIO
A ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico), divulgou o relatório “Roteiro para Difusão de Veículos Elétricos no Brasil“, que faz uma compilação abrangente de temas referentes aos veículos elétricos, desde seus tipos e características técnicas, até explanações sobre a atual situação no Brasil, focando nas oportunidades de mercado e recomendações para que os VEs sejam inseridos com sucesso no país.

PONTOS FRACOS
O relatório possui uma posição neutra à apatia do cenário brasileiro. Sendo um país que está anos atrás do cenário internacional e das ações que a sociedade necessita, seria útil utilizar o documento como uma ferramenta crítica em busca da evolução nacional. 

Observando o relatado sobre o atual cenário nacional, as “iniciativas estratégicas em curso” e as empresas que divulgam estar atentas ou prontas para apresentar opções de VEs, recaímos no mesmo e velho cenário: ainda estamos sentados e esperando alguma ação das grandes montadoras internacionais. “Todas anunciam a intenção de fabricar no Brasil, quando o mercado justificar”, é a frase que ilustra claramente eterna inércia brasileira. 

Quando o mercado irá justificar? A resposta provavelmente viria em um press-release conjunto dos departamentos financeiro e marketing das montadoras, mas a verdade é que somente quando se sentirem “incentivadas” a ponto de lucrar mais (com os excelentes veículos à combustão nacionais), é que irão se mobilizar.

PONTOS FORTES
Como uma fonte de conhecimento, o relatório é muito bom para quem se dá bem com leituras técnicas e gosta do tema. Cumpre o que promete: exibe um “road-map” para a uma boa implementação dos VEs por aqui, dissertando superficialmente sobre temas como competitividade, educação do mercado, modelo de negócios, prioridades, entre outros.

Sendo a ABVE a única entidade nacional de incentivo aos veículos elétricos, e que o Brasil ainda carece de informações práticas e de qualidade sobre VEs, relatórios como este são sempre bem-vindos.