Retrospectiva 2012 – destaques eletrizantes no Brasil e no mundo

Tempo de leitura: 8 minutos

ABVE relembra todos os acontecimentos em que os veículos elétricos e híbridos foram destaque em 2012

Em 25 de janeiro, a sede da Associação Brasileira do Veículo Elétrico, localizada na Rua Manoel de Carvalho (Centro do Rio de Janeiro), desapareceu com o desabamento dos Edifícios Colombo e Liberdade. Nesse período crítico, a ABVE contou com o apoio dos seus associados e, particularmente, da UTE Norte Fluminense e da STEAG, que asseguraram a retomada das suas atividades no menor tempo possível, fornecendo-lhe espaço e equipamentos. 
A partir de junho, a ABVE passou a contar com nova sede, no prédio da Associação Comercial do Rio de Janeiro, localizado na Rua da Candelária, nº 9, Grupo 908.

Neste ano, os veículos elétricos leves fizeram parte do noticiário nacional de uma forma bastante inusitada, após a polêmica gerada com a apreensão de uma bicicleta elétrica e multa a um ciclista em Copacabana no mês de abril. Uma semana após esse incidente, a prefeitura do Rio de Janeiro atuou positivamente, equiparando as bicicletas elétricas às convencionais, contribuindo para a difusão do emprego desses veículos.

Vale ressaltar que, no mesmo ano em que foi emitida a Resolução 315/2009, a ABVE solicitou a revisão desse regulamento, no sentido de diferenciar os ciclomotores e cicloelétricos e, em especial, as bicicletas e motonetas elétricas, dada a diferença de funcionalidade desses dois veículos de transporte pessoal.

No dia 27 de agosto, a Associação Brasileira do Veículo Elétrico realizou uma reunião com seus associados, fabricantes e comercializadores de cicloelétricos, além de outros veículos elétricos de duas ou três rodas, com o objetivo de elaborar uma proposta de regulamentação desses veículos no Brasil. Paralelamente, uma outra comissão, formada pela Abraciclo e outros órgãos e entidades interessados na difusão do uso da bicicleta, apresentou proposta semelhante.

Contudo, segundo reportagem exibida pelo RJTV no dia 4 de outubro, o CONTRAN publicaria regras próprias para a utilização das bicicletas elétricas até o fim do mesmo mês. Infelizmente, até o presente momento, o órgão não se pronunciou.


O carro elétrico ainda está em fase embrionária no Brasil, mas não é por falta de dedicação de organizações não governamentais e privadas, que trabalham para que o Brasil utilize o que há de mais moderno e eficiente no setor automobilístico global.

Na semana da Rio + 20, especialmente no Fórum Global em Mobilidade Elétrica, foi discutida a viabilidade e o futuro do carro elétrico no Brasil. No total, dezessete palestrantes trouxeram seus estudos e experiências para o evento, além das principais montadoras colocarem para exposição alguns veículos elétricos e híbridos no Parque dos Atletas, na zona oeste do Rio de Janeiro.

O ano de 2012 foi marcado por um conjunto de iniciativas inovadoras jamais vistas no Brasil, visando a difusão dos veículos elétricos. Destacam-se o Programa de Testes de Ônibus Híbrido e Elétrico, desenvolvido pelo Grupo C40 Cities em três municípios brasileiros (Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo) e a instalação do primeiro posto de carregamento rápido de veículos elétricos no Brasil, instalado em São Paulo, projeto este desenvolvido pela Efacec, EDP , a Fundação Instituto de Administração (FIA), o Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo (IEE/USP) e a Sinapsis.

Outra relevante iniciativa foi a implantação de uma frota de táxis elétricos na cidade de São Paulo desde junho. Posteriormente, em dezembro, 20 taxis híbridos foram entregues a empresas frotistas que aderiram ao Programa de Táxis Híbridos, implementado pela Prefeitura de São Paulo conforme decreto 53.223, que visa iniciar e incentivar a operação de táxis com menor impacto ambiental e menor consumo de combustível. O governo da Bahia também manifestou interesse em implementar projeto semelhante.

No transporte coletivo, a frota de trólebus em São Paulo (meio de transporte utilizado em vários países europeus e apenas presente na capital paulista aqui no Brasil) está sendo renovada, com modelos que tem a possibilidade de receber um banco de baterias, dando ao veículo autonomia de alguns quilômetros para se deslocar sem estar conectado à rede elétrica. 

No mundo acadêmico, as atenções estiveram voltadas na 9ª edição da Fórmula SAE Brasil-Petrobras, que contou com a estreia da Categoria Elétrica de carros tipo fórmula. Quatro veículos elétricos foram projetados e construídos por estudantes de engenharia das seguintes instituições: Faculdade de Engenharia de Sorocaba, Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Universidade Federal de Itajubá, de Minas Gerais, e do Centro Universitário da FEI, de São Bernardo do Campo/SP, esta responsável pela construção do primeiro carro fórmula elétrico do Brasil, apresentado na competição em 2011.

No que tange às iniciativas governametais, deve-se destacar o Projeto de Lei 2092/2011, de autoria do deputado federal Irajá Abreu, que visam incentivos à fabricação e utilização de veículos elétricos no país. A proposta já foi aprovada pela Comissão de Minas e Energia e pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio, mas ainda terá que passar por duas outras: Finanças e Tributação e Constituição e Justiça e de Cidadania. 

Realizado simultaneamente com a ECO Business, o 8º Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos e Componentes, realizado pela MES Eventos, contou com o apoio da Associação Brasileira do Veículo Elétrico e da Prefeitura Municipal de São Paulo.

No primeiro dia do evento, a programação enfocou temas relativos à visão dos fabricantes sobre veículos elétricos, iniciativas nacionais, normas de emissões e necessidade de profissionais neste segmento. Já no segundo dia, foram abordados temas que impactam diretamente o dia-a-dia da população, como a regulamentação dos veículos elétricos leves (bicicletas e scooters) e a utilização de veículos elétricos no transporte urbano de cargas e passageiros, além do uso do etanol em veículos híbridos, que chegarão ao Brasil em 2013.

O evento ainda contou com demonstração do ônibus elétrico híbrido da empresa Eletra (elétrico e etanol) para transportar passageiros nas dependências da Usina de Itaipu, sendo este o primeiro veículo emplacado com as regras do Mercosul. 

No âmbito mundial, todos os principais salões de automóveis, como os de Detroit e Paris, reservaram grande parte de suas apresentações para os veículos elétricos e híbridos, além de diversos seminários e congressos que foram realizados ao longo do ano. O professor Luiz Arthur Pecorelli Peres participou do 26ª edição do Simpósio de Veículos Elétricos (EVS26), onde apresentou o trabalho “Plano de Infraestrutura Para Estações de Recarga no Rio de Janeiro”. 

No segundo semestre de 2012 a Agência Internacional de Energia divulgou um estudo avaliando as dezesseis principais cidades em que os veículos elétricos possuem posição de destaque no transporte local. Destacamos também as iniciativas divulgadas no Japão (para residências e e escritórios que estejam preparados com mecanismos de armazenamento de energia), na cidade americana de Indianápolis (em que o prefeito assinou um decreto que estabelece que carros da frota sejam híbridos ou elétricos) e nos Estados Unidos (com a continuidade ao programa de incentivo à venda de carros elétricos), além dos incentivos do Departamento de Energia para baterias de carros elétricos

No âmbito esportivo, a Federação Internacional de Automobilismo anunciou a criação da Fórmula E, categoria com carros monopostos, movidos exclusivamente a energia elétrica, para 2014. Pelo Mundial de Endurance, lembramos as vitórias dos veículos híbridos da Audi nas 24 Horas de Le Mans e da Toyota nas 6 Horas de Interlagos.

Nos Jogos Olímpicos de Londres, a BMW colocou à disposição carros elétricos para o transporte das delegações ao Estádio Olímpico e aos principais locais envolvidos nos jogos. Paralelamente, o evento contará com o apoio de 15 táxis a hidrogénio e 50 ônibus híbridos, que andarão por toda a cidade. 

Não podemos deixar de salientar a eleição, pela primeira vez, de um veículo elétrico na premiação Car Of The Year, pela conceituada revista norte-americana Motor Trend, onde são avaliados quesitos como design, engenharia, eficiência, segurança e preço.

Nesta Retrospectiva 2012, procura-se resgatar alguns dos fatos mais marcantes no cenário nacional e mundial – tais como os efeitos dos incentivos governamentais à difusão do uso dos veículos elétricos em países europeus e asiáticos, a viabilidade de veículos elétricos no Brasil, a polêmica envolvendo as bicicletas elétricas e a repercussão do 8º Salão Latino Americano de Veículos Elétricos.

Fonte: ABVE