Ônibus elétricos têm custos operacionais menores

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Conclusão vem de teste com 16 coletivos diferentes
Os ônibus elétricos têm custo operacional até 75% menor quando comparados com os coletivos a diesel convencionais. A conclusão resulta de um teste feito com 16 ônibus de diferentes tecnologias em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Santiago (Chile) e Bogotá (Colômbia), entre junho de 2011 e outubro de 2012. O trabalho foi desenvolvido pela Fundação Clinton, rede C40 (Grupo Cidades Líderes pelo Clima) e Banco Interamericano (BID). 

O diretor da rede C40 e especialista em transporte, Adalberto Maluf, afirma que, apesar de mais caros na aquisição inicial, os ônibus elétricos se tornaram mais vantajosos que os veículos a diesel e atribui o fato à evolução das baterias desses veículos nos últimos dois anos.

“Se pensarmos em um ciclo de vida completo, os ônibus elétricos já são mais econômicos que os a diesel. A partir do sexto ou sétimo ano de operação, os elétricos já se tornam muito mais baratos considerando todos os custos de operação. Além disso, existe um grande beneficio para a saúde pública, já que eles não emitem poluentes e também reduzem muito o barulho e desconforto dentro dos ônibus, porque, em geral, eles têm piso baixo total”, diz o executivo. 

O diretor da rede C40 defende ainda o uso de ônibus elétricos nos corredores de ônibus. Segundo ele, os sistemas do tipo BRT apresentam a melhor solução técnica e operacional para levar grande volume de passageiros com baixo custo, mas têm como desvantagem a concentração de poluentes pela utilização e veículos a diesel. Adalberto Maluf recorda que, na China, quase todas as grandes cidades estão construindo sistemas BRT com ônibus elétricos e/ou híbridos. 

A maior procura por ônibus elétricos fez a produção da empresa Eletra aumentar de dois para 15 veículos mensais. O número de trabalhadores subiu de 20 para 76. A demanda teria sido puxada pelas encomendas de renovação da frota de trólebus na capital paulista. A Eletra fabrica veículos em versões trólebus (para rede aérea), híbrida (com motor gerador e baterias) e elétrica (apenas baterias).