As Escuderias da FIA Formula E Championship

Tempo de leitura: 24 minutos

Este é o 3º post da série FIA Formula E Championship, exclusiva do Conversão Elétrica. Hoje detalharei cada uma das 10 escuderias que inauguraram a categoria, a história dos bastidores e as parcerias formadas para revolucionar o automobilismo mundial.

Na primeira década dos anos 2000, a FIA se interessou em introduzir um pouco de energia elétrica em sua principal categoria esportiva, a F1. Tudo começou quando a entidade anunciou, em dezembro de 2010, que a partir de 2013 os carros seriam movidos 100% à eletricidade quando estivessem no pitlane (área dos boxes).

Bernie Ecclestone, presidente da FIA, vetou os planos, mas foi sendo gradativamente derrotado quando a curiosidade e desejo dos executivos e pilotos em adotar as tecnologias limpas ganharam corpo.

Para viabilizar a realização da Fórmula E, Alejandro Agag teve a missão de angariar adeptos de peso e uma soma de USD 100 milhões! Uma verdadeira bagatela para idealizar e concretizar um campeonato mundial de monopostos elétricos do zero, nos níveis da FIA.

Para se ter uma ideia, para participar da F1, a cada ano as escuderias desembolsam cerca de £115 milhões (sim, cento e quinze milhões de libras esterlinas). Na Fórmula E o custo é de apenas £3 milhões (três milhões).

Há três razões fundamentais para o baixo custo de funcionamento de uma equipe na Fórmula E:

  1. Equipes menores: É comum encontrar escuderias de F1 com 600 empregados, sendo que 40 estão presentes em todo GP. Na Fórmula E, serão fornecidas apenas 8 credenciais ao paddock por escuderia, compostas de dois engenheiros de corrida, um gerenciador de dados, quatro mecânicos e um chefe de equipe. Acesso garantido aos dois pilotos e a uma equipe do conjunto de tração elétrica.
  2. Leasing de carros: Na primeira temporada, todos os carros serão fornecidos à FEH (Formula E Holdings), e esta os arrendará às escuderias, a custo zero, em troca de uma parte das suas receitas de patrocínio. Por corrida, cada equipe terá 4 carros Spark-Renault SRT_01E, dois por piloto.
  3. Pesquisa e desenvolvimento: Em consequência do empréstimo dos carros, não há necessidade de grandes investimentos iniciais no desenvolvimento do carro, já que o chassi e a aerodinâmica é basicamente padrão. As escuderias poderão competir nos ajustes do conjunto de tração elétrica. Foi construída uma oficina central para o desenvolvimento dos carros em Donington Park, na Inglaterra.

À partir da 2ª temporada, a Fórmula E será um ‘campeonato aberto’, permitindo que as escuderias projetem e desenvolvam seus próprios carros – de acordo com as especificações técnicas estabelecidas pela FIA – e mostrando suas inovações no automobilismo elétrico.

Vamos à lista das escuderias prodígias que inauguraram a FIA Formula E Championship! Você pode clicar nelas para ver seus detalhes:

LOGO

NOME

SEDE

Amlin-Aguri Formula E Team Logo AMLIN-AGURI Tóquio, Japão
Andretti Formula E Team Logo ANDRETTI Indianápolis, EUA
Audi Sport ABT Formula E Team Logo AUDI SPORT ABT Allgäu, Alemanha
China Racing Formula E Team Logo CHINA RACING Pequim, China
Dragon Racing Formula E Team Logo DRAGON RACING Los Angeles, EUA
e.dams-Renault Formula E Team Logo E.DAMS-RENAULT Le Mans, França
Mahindra Racing Formula E Team Logo MAHINDRA RACING Mumbai, Índia
Trulli Formula E Team Logo TRULLI Berna, Suíça
Venturi Formula E Team Logo VENTURI Monte Carlo, Mônaco
Virgin Racing Formula E Team Logo VIRGIN RACING Londres, Reino Unido

Agora, afivelem os cintos e vamos aos detalhes:

Amlin Aguri Formula E Team Car
Aguri Suzuki – Presidente Executivo
Mark Preston – Chefe de Equipe
Pilotos – Antonio Felix da Costa & Salvador Duran
Reservas – Takuma Sato & Katherine Legge
A Amlin-Aguri foi a sexta das dez equipes a formarem o hall de escuderias para o lançamento da FIA Formula E Championship, a segunda equipe asiática. Baseada Tóquio, um importante mercado e pólo de desenvolvimento tecnológico de veículos elétricos, a equipe é liderada pelo lendário piloto japonês Aguri Suzuki. Ícone do automobilismo japonês, Suzuki passou oito temporadas como piloto da F1 entre 1988-1995 – competindo em 88 Grands Prix – e foi proprietário da equipe Super Aguri F1, que competiu entre 2006 e 2008. Suzuki atualmente supervisiona a Autobacs Racing Team Aguri (ARTA), que compete nas séries Super GT no Japão, participando nas categorias GT500 e GT300. A escuderia possuía o nome de Super Aguri Formula E Team, até fechar uma parceria de patrocínio com a empresa britânica de seguros Amlin. Suzuki acredita que corridas de carros não poluentes é um conceito progressivo para a indústria automobilística e que, após mais de 40 anos como piloto e dono de equipe, vê a Fórmula E como um grande passo em direção ao futuro. Ele diz que o Japão tem estado sempre na vanguarda da inovação tecnológica e qua participação deles na categoria os permitirá promover e desenvolver a tecnologia dos veículos elétricos (VEs), não apenas em sua região, mas também em uma escala global. Mark Preston assume o papel de chefe da equipe. A dupla trabalhou pela última vez juntos na Super Aguri F1 onde Preston auxiliou a formação da equipe e trabalhou como diretor técnico. Também estão a bordo Peter McCool como Diretor Técnico e Ferry Spijkerman como Diretor Comercial. A herança que a dupla-chefe da Amlin-Aguri traz da F1, somadas às credenciais de inovações técnicas, formam uma equipe séria nos quesitos automobilismo, tecnologia e vitórias.
amlin-aguri.com fb/amlin.aguri @amlin_aguri

↑Índice

 

Andretti Formula E Team Car
Michael Andretti – Presidente
JF Thorman & Roger Griffiths – Chefes de Equipe
Pilotos – Jean-Eric Vergne & Scott Speed
Reservas – Franck Montagny, Charles Pic, Matthew Brabham & Marco Andretti
A renomada equipe Andretti Autosport IndyCar, com sede em Indianapolis e liderada pela lenda do automobilismo Michael Andretti, tornou-se a terceira equipe a se inscrever para a FIA Formula E Championship, como a Andretti Formula E Team. A Andretti Autosport possui atualmente várias participações em categorias como a IndyCar Series, juntamente com várias campanhas na Indy Lights, na Pro Mazda Championship e no Campeonato Nacional USF2000. É um dos times mais conhecidos e condecorados no automobilismo norte-americano, vencendo quatro campeonatos na IndyCar Series (2004, 2005, 2007 e 2012), dois títulos na Indy Lights (2008 e 2009), um campeonato USF2000 (2010), e ganhou o mundialmente famoso Indianápolis 500 duas vezes (2005 e 2007). O próprio Michael possui uma carreira como piloto que abrange mais de 20 anos competindo na CART e Fórmula 1 com notáveis 42 vitórias na CART, um vice-campeonato em cinco ocasiões e segundo colocado na lista dos que mais lideraram voltas na IndyCar, logo atrás de seu pai Mario Andretti. Para uma equipe com incrível pedigree, altamente estabelecida e recordes de pista, não há dúvidas que farão uma grande contribuição para a Fórmula E. Para quem tem gasolina correndo nas veias, mostrar seu compromisso com o automobilismo sustentável, é extremamente estimulante para nós fãs dos veículos elétricos, o que dirão os norte-americanos que irão ver sua maior escuderia competindo em duas corridas em sua casa, Long Beach e Miami. Michael diz que é uma honra para a Andretti Autosport ser selecionada como uma das 10 escuderias de fundação Fórmula E e que está ansioso para explorar ainda mais a categoria e ajudá-la a construir o futuro das corridas de monopostos em todo o mundo. Patrice Ratti, CEO da Renault Sport Technologies, que supervisionam a integração de sistemas da SRT_01E Spark-Renault, disse que, como uma marca comprometida com os esportes motorizados há mais de 100 anos, é uma grande honra para a Renault ter a Andretti Autosport à bordo e lhes dá as boas-vindas. Grandes times profissionais como a Andretti Autosport inspiram ainda mais os envolvidos para desenvolver um campeonato incrível e criar um grande show para os fãs de automobilismo de todo o mundo.
andrettiautosport
.com
fb/Andretti
Autosport
@AndrettiFE

↑Índice

 

Audi Sport ABT Formula E Team Car
Hans-Jürgen Abt – Chefe de Equipe Pilotos – Lucas di Grassi & Daniel Abt
A ABT Sportsline, liderada pelo chefe de equipe Hans-Jürgen Abt, se tornou a sétima escuderia – e a única alemã – a entrar para a FIA Formula E Championship. Baseada na região de Allgäu da Alemanha, competirá sob a bandeira Audi Sport ABT Formula E Team, baseado no nome usado em sua parceria de sucesso como equipe de fabricação da Audi na popular série internacional de carros de turismo DTM. Hans disse estar orgulhoso por ter a oportunidade de participar da estreia da nova série de corrida, que marca um capítulo completamente novo em seus mais de 60 anos de história no automobilismo. Sendo uma empresa que atua na área de motorizações regenerativas e mobilidade elétrica, ele diz estar convencido que o conceito da competição é inovador, proporciona automobilismo ao mais alto nível e um grande show para os fãs ao redor do mundo. Chefe da Audi Motorsport, Wolfgang Ullrich comentou que veem este novo projeto da FIA com grande interesse e estão maravilhados que ABT Sportsline, um de seus parceiros mais próximos e de longa data, estarão envolvidos desde o início. Com cinco títulos em sua história, apenas na DTM, a ABT Sportsline é uma das equipes alemãs de maior sucesso, que tem alcançado vitórias e títulos em corridas de GT e endurance. O compromisso em corridas de Fórmula agora também marca um retorno para os primeiros dias da escuderia. No início da década de 1990, a ABT teve seus sucessos iniciais em ADAC Formel e Fórmula 3. Um dos motoristas na época era o subsequente piloto de Fórmula 1 e estrela da DTM, Ralf Schumacher. Hans lembrou que foram competentes em abraçar novos desafios em muitas ocasiões no passadoe que a Fórmula E é sem dúvida um dos mais intensos atualmente, o que torna seu entusiasmo ainda maior. Os fãs alemães de automobilismo estarão orgulhosos por possuir um time nacional para apoiar durante o ePrix realizado em sua casa, em Berlim.
abt-sportsline.de fb/abtsportsline @abt_formula_e

↑Índice

 

China Racing Formula E Team Car
Steven Lu – Presidente & Chefe de Equipe
Adrian Campos – Gerente de Equipe
Pilotos – Nelson Piquet & Charles Pic
Reservas – Ho-Pin Tung & Antonio García
A escuderia China Racing Formula E Team foi a segunda das 10 equipes a fazer parte do pelotão de abertura da categoria de corridas elétricas da FIA. O time começou em 2004 como uma das equipes A1GP, autorizada pelo Ministério dos Esportes da China. Liderada por Steven Lu e Yu Liu, que já competiu em várias séries de corridas internacionais diferentes, incluindo A1GP, Superleague Formula e FIA GT1, tem apoiado muitos motoristas chineses, tais como Qinghua Ma, Cong Fu Cheng e Ho-Pin Tung. A China Racing também tem uma rica experiência na operação e gestão automobilística, tendo organizado 10 eventos em Pequim (incluindo duas corridas de rua), Xangai, Chengdu, Zhuhai e Ordos. A Campos Racing, que gerencia equipes na GP2 e EuroFormula Open, irá operar o dia-a-dia do time chinês, e seu fundador Adrian Campos será o Gerente de Equipe, com Steven Lu como Chefe de Equipe. A escuderia também pretende ser um construtor próprio e desenvolver seus bólidos elétricos dentro de três anos com o apoio de fabricantes chineses de VEs. Presidente da China Racing, Yu Liu disse estar muito animado pela FIA estar lançando uma série de corridas de carros elétricos e estão orgulhosos por ser uma das primeiras equipes da Fórmula E. Ele acredita que a Fórmula E é a plataforma perfeita para a China Racing e seus parceiros se envolverem no futuro do automobilismo, para as empresas chinesas de VEs fazerem sua parte para ajudar a criar um planeta mais sustentável e que sua presença no campeonato irá encorajar milhões de fãs chineses para acompanhar a série. Sua experiência em gestão de eventos de corridas contribuirá para o sucesso da corrida em Pequim, que apresentará os carros-fórmula elétricos, com som futurista e zero emissões. Alejandro Agag comentou que a FIA Formula E Championship, junto com a China Racing, podem ser uma ferramenta poderosa para tornar os carros elétricos populares com o público chinês, particularmente entre as gerações mais jovens. Disse esperar que mais pilotos chineses participem da competição e que e estão ansiosos para que as empresas chinesas se juntem ao esforço em tornar as cidades mais habitáveis ​​e saudáveis.
teamchina-racing
.com
fb/ChinaRacingFE @ChinaRacingFE

↑Índice

 

Dragon Racing formula E Team Car
Jay Penske – Presidente Pilotos – Jerome D’Ambrosio & Loic Duval
Reserva – Oriol Servià
Uma das escuderias de ponta da IndyCar, a Dragon Racing Formula E Team tornou-se a quarta equipe a entrar na FIA Formula E Championship. A Dragon Racing começou em 2006 originalmente como Luczo Dragon Racing, fundada por Jay Penske, empresário de mídias e publicidade, e Steve Luczo, Presidente e Diretor da Seagate Technologies. Em maio de 2007, fizeram sua estreia na 500 Milhas de Indianápolis, terminando em um excelente 5º lugar com o piloto Ryan Briscoe. Dois anos depois, completaram sua primeira temporada na IndyCar com o piloto aclamado como revelação do ano, o brasileiro Raphael Matos. A equipe possui operações em Indianápolis, Indiana, e está sediada em Los Angeles, Califórnia, uma cidade que se tornou o maior mercado do mundo para VEs. Penske disse ser uma honra para Dragon Racing ter sido selecionada como um dos times fundadores na Fórmula E, que simboliza uma visão para o futuro do automobilismo e da indústria automotiva, enquanto foca diretamente a uma nova geração de fãs globais de corridas. Ele acredita que a Fórmula E oferece uma grande oportunidade para seus diversos parceiros de tecnologia e mídia, e que estão todos ansiosos para seu inevitável crescimento nesta próxima década. Alejandro Agag comentou estar muito feliz em receber a Dragon Racing na Fórmula E, e está convencido que Jay Penske e sua equipe serão uma grande contribuição o Grid. Realmente, a chegada da escuderia à categoria elétrica da FIA juntamente com a confirmação do circuito de rua de Long Beach no calendário, coroa a posição da Califórnia como a terra dos carros elétricos.
dragonracing.com fb/Dragon-Racing @DragonRacing

↑Índice

 

e.dams Renault Formula E Team Car
Alain Prost & Jean-Paul Driot – Co-fundadores Pilotos – Nicolas Prost & Sébastien Buemi
O tetracampeão de Fórmula 1 Alain Prost, uniu forças com Jean-Paul Driot, fundador da equipe Dams (Driot Associés Motor Sport), que compete na GP2 e Fórmula Renault 3.5, para entrar na FIA Formula E Championship competindo com a e.dams-Renaut Formula E Team, a quinta a assinar um acordo com a FEH. A recém criada escuderia de Fórmula E será apoiada com assistência logística e técnica pelo ótimo time esquadrão europeu da Dams. Baseada perto de Le Mans, a Dams possui quase 25 anos de experiência com inúmeros títulos de equipes e pilotos em seu nome, incluindo três campeonatos internacionais de F3000, dois títulos A1GP, dois títulos Auto GP, dois títulos GP2 Ásia e um título de equipe e dois de pilotos da GP2. O time também tem se expandido na Fórmula Renault 3.5, onde recentemente conquistou o título de equipes e de pilotos em apenas sua segunda temporada. Com seus quatro títulos de F1 em 1985, 86, 89 e 1993, 51 vitórias, 108 pódios em seu nome e eterno arquirrival de Ayrton Senna, Alain Prost continua sendo um dos pilotos mais bem sucedidos do automobilismo francês. Disse estar muito ansioso para fazer parte da aventura da nova categoria de de emissões zero, e que ser capaz de participar ativamente no desenvolvimento desta nova tecnologia 100% elétrica é extremamente motivador. Ele indica que, como vimos em outros campeonatos, 2014 é um marco do movimento no sentido de corridas mais sustentáveis, provando cada vez mais que o automobilismo é a referência para o futuro. Jean-Paul comentou que se envolver com a Fórmula E foi uma escolha óbvia, que por ser um entusiasta de corridas que eu sou, foi imediatamente convencido pelo novo conceito de utilização de carros monopostos totalmente elétricos. Ele acredita que a implementação de novas tecnologias irá moldar o futuro do automobilismo, e sendo no coração das mais belas cidades do mundo e em frente a um público jovem, prepara o caminho para uma nova forma de automobilismo, que é inovadora e respeitosa com o meio ambiente.
edamsrenault.com fb/edamsrenault @edamsrenault

↑Índice

 

Mahindra Racing Formula E Team Car
S. P. Shukla – Presidente
Dilbagh Gill – Chefe de Equipe
Pilotos – Bruno Senna & Karun Chandhok
Mahindra Racing, a oitava escuderia a fazer parte da inauguração da Fórmula E. Com sede em Mumbai, na Índia, a equipe é respaldada por uma importante força global no desenvolvimento e produção de VEs, a indiana Mahindra Reva Company, um grupo multinacional de 16,2 bilhões dólares que emprega mais de 180.000 pessoas em mais de 100 países. O time não é nenhum estranho para o mundo do esporte à motor internacional, competindo no FIM MotoGP World Championship – a primeira equipe indiana para fazê-lo em 2011 – a empresa marca a sua primeira incursão nas corridas de monopostos, liderada pelo Chefe de Equipe Dilbagh Gill. Oficializando sua participação na abertura do Delhi Motor Show de 2013, a fabricante de VEs revelou um esquema de cores impressionante de vermelho e branco para seu Spark-Renault SRT_01E. Anand Mahindra, Presidente e Diretor Executivo da Mahindra Group, disse que estão ansiosos para o desafio e acreditam que a Fórmula E pode fornecer uma excelente vitrine global para suas tecnologias de VEs. Comentou que com operações avançadas e expertise em eletrônica, informática, tecnologias automotivas e fabricação, já estão vendo a fusão desta tecnologia em suas operações de VEs, e que as corridas irão acelerar ainda mais essa tendência enquanto a Fórmula E é focada em aumentar a conscientização global sobre os benefícios dos VEs. Chetan Maini, Fundador e Presidente da Mahindra Reva quer mostrar uma gama de VEs que a empresa desenvolve. Ele disse que têm trabalhado muito em tecnologias de VEs de última geração e que seu objetivo será incorporar a tecnologia dos carros da Fórmula E para uso comercial e estão esperançosos de que nos próximos anos haverá o que chama de “polinização cruzada” de tecnologia.
mahindraracing.com fb/MahindraRacing @MahindraRacing

↑Índice

 

Trulli Formula E Team Car
Francesco Guarnieri – Presidente
Jarno Trulli – Co-Foundador
Lucio Cavuto – Chefe de Equipe
Pilotos – Jarno Trulli & Vitantonio Liuzzi
Reserva – Michela Cerruti
A Trulli Formula E Team foi a décima e última escuderia a fazer parte do pelotão oficial da temporada inaugural da FIA Formula E Championship, ocupando a primeira vaga que foi da Drayson Racing. A história é que Drayson Racing Technologies LLP (DRT), baseada em Oxfordshire no Reino Unido, é uma empresa de P&D, pioneira nas competições mundiais de baixo carbono, atuou como consultora científica da FIA Formula E Championship durante os meses de sua criação e foi a primeira a inscrever uma escuderia na nova competição. A equipe pretendia ser um construtor próprio após a primeira temporada, e montar um novo drivetrain desenvolvido a partir do avançado sistema elétrico DRT 4X2-640, que fez parte do Lola-Drayson B12/69EV, carro que estabeleceu um novo recorde elétrico no Goodwood Festival of Speed de 2013. Lord Drayson, Chefe de Equipe da Drayson Racing, chegou a comentar que estavam extremamente animados com a perspectiva de competir na temporada de abertura da Fórmula E e que seu objetivo era ser um dos competidores de ponta desde o início, aproveitando o know-how que construíram ao longo dos últimos dois anos trabalhando em transmissões elétricas e desenvolvimento de seu protótipo elétrico que bateu os 200 mph. Entretanto, a empresa desistiu de seguir como uma escuderia para ser apenas uma fornecedora técnica e focar no desenvolvimento tecnológico nos bastidores da competição. Jarno Trulli, um dos pilotos mais experientes da história da Fórmula 1, competindo em 256 GPs e quinto colocado na lista dos maiores pilotos de todos os tempos, é também um empreendedor em diversas áreas que vão desde bons vinhos italianos à imobiliários. Com este espírito empresarial, Jarno entrou na Fórmula E e enfrenta o maior desafio de sua vida que é criar, chefiar e pilotar por uma nova escuderia. Após a aprovação da FIA, a Trulli foi concedida a vaga da Drayson Racing, que passará a ser patrocinador e o principal parceiro de tecnologia da equipe. Trulli vai começar a trabalhar na adoção da tecnologia de carregamento sem fio da Drayson, que oferece o potencial de liberar VEs das restrições da recarga à base de cabos, tendo em vista a sua implementação plena na segunda temporada, quando o campeonato será aberto às tecnologias próprias. Ele está convencido de que trazer o seu nome para a série é uma oportunidade de mostrar que a Fórmula E está na vanguarda do desenvolvimento de tecnologias futuras através dos desafios do automobilismo. Trulli disse que, com sua experiência como piloto na Fórmula 1, seu envolvimento na Fórmula E será certamente um novo desafio, não só como piloto, mas também como um dono de equipe. Comentou também que competir no mais alto nível de desempenho com um carro de energia limpa com o apoio da Drayson Technologies torna este desafio ainda mais emocionante e está muito contente eme ser um pioneiro deste novo projeto, a FIA Formula E Championship.
trulliformulae.com fb/trulliforumulae @trulliformulae

↑Índice

 

Venturi Formula e Team Car
Leonardo DiCaprioGildo Pallanca Pastor – Co-Fundadores Pilotos – Nick Heidfeld & Stéphane Sarrazin
A Venturi Formula E Team, baseada em Mônaco, é a nona escuderia a fazer parte do lançamento da FIA Formula E Championship. Originada da joint venture entre o premiado ator e ativista ambiental Leonardo DiCaprio, Bert Hedaya, Francesco Costa e Gildo Pallanca Pastor, fundador da Venturi Automobiles, pioneira fabricante de EVs de alta performance, desenvolvendo carros urbanos, utilitários e esportivos, além de ser a atual detentora do recorde de velocidade em terra para um elétrico veículo com 495 kph (307 mph). À partir da segunda temporada, a equipe planeja se tornar um construtor, desenvolvendo seu próprio carro de Fórmula E, usando um powertrain com base no usado no Venturi VBB-3, conjunto elétrico com 3,000 hp de potência e candidato a estabelecer um novo recorde mundial de 700 kph na Bonneville Salt Flats, em 2015. DiCaprio disse que o futuro do nosso planeta depende da nossa capacidade em adotar veículos eficientes, de energias limpas. Comentou também que a Venturi Grand Prix tem mostrado grande visão em sua decisão de criar uma equipe de corrida ambientalmente amigável e que está feliz por fazer parte deste esforço. Gildo disse que a Venturi tem sido pioneira em VEs de alta performance por mais de uma década e a Fórmula E lhes dá a oportunidade fantástica para melhorar ainda mais suas tecnologias avançadas através do automobilismo, bem como competir em todo o mundo. Alejandro Agag comentou que Gildo é um verdadeiro pioneiro em corridas elétrica, desde o deserto de Salt Lake até a Antártida, e que sua paixão e visão impulsiona as barreiras tecnológicas do que pode ser feito com um carro elétrico. E acrescentou dando as boas vindas à Leonardo DiCaprio, dizendo que muito poucos líderes ambientais têm ajudado mais do que ele para espalhar a mensagem de sustentabilidade em todo o mundo e que ter pessoas como ele e Richard Branson – embaixadores globais para o meio ambiente – é um privilégio o campeonato e vão ajudá-los muito em difundir o uso de carros elétricos em cidades ao redor do planeta.
venturi.
fiaformulae
.com
fb/VenturiGP @venturigp ↑Índice

 

Virgin Racing Formula E Team Car
Alex Tai – Chefe de Equipe Pilotos – Jaime Alguersuari & Sam Bird
A Virgin Racing Formula E Team foi a oitava escuderia a integrar a família Fórmula E. Com base no Reino Unido, a equipe terá como chefe Alex Tai, e tem o apoio do fundador da Virgin Group, Sir Richard Branson. Ambos têm se envolvido em uma série de projetos de tecnologias pioneiras na aviação, espacial e, mais recentemente, de corrida. Concebido em 1970 por Sir Richard Branson, Virgin é um grupo líder de investimentos internacionais, que passou a desenvolver empresas de sucesso em setores que variam desde a telefonia móvel, viagens, serviços financeiros, lazer, música, festas, saúde e bem-estar até se tornar uma das marcas mais reconhecidas e respeitadas do mundo. Branson disse que o lançamento da FIA Formula E Championship é uma notícia emocionante para os fãs de corridas, mas também para aqueles que acreditam no desenvolvimento dos grandes carros elétricos do futuro. Acrescentou que a necessidade de criar carros de corridas confiáveis, rápidos ​​e duráveis ​​vai ajudar a acelerar o sector e mostrar os VEs a uma grande audiência global com as corridas no centro de muitas cidades famosas. Tai comentou que o esforço para desenvolver novos recursos de tecnologia para a Virgin, que sempre foi uma organização pioneira, ele teve a sorte de se envolver em uma série de tais atividades ao longo dos anos, desde a Virgin Atlantic GlobalFlyer à Virgin Galactic, que empurram os limites tecnológicos e humanos e capturam a imaginação das pessoas e que possuem planos extremamente emocionantes durante os próximos meses. Agag comemorou dizendo que ter uma marca global como a Virgin, conhecida por sua inovação e esportivo paixão tecnológica, como uma das dez equipes é uma soma fantástica para o campeonato e mostra seu compromisso com a mobilidade sustentável.
virginracing.com fb/VirginRacingFE @VirginRacingFE

↑Índice

Qual a sua escuderia favorita? Qual você acredita que vencerá a primeira temporada? Qual você acha que não terá fôlego para continuar na Fórmula E à partir da 2ª temporada? Deixe sua opinião abaixo nos comentários e aproveite para se inscrever e receber muito mais notícias, informações e eventos sobre o mundo dos VEs!

Fique plugado no próximo post: Os Pilotos da FIA Formula E Championship!